Vídeos

Notícias - Google Notícias

CINEMA / Filmow - Notícias Populares

ESTE BLOG É INDEPENDENTE - NÃO RECEBE (E NEM QUER) SUBVENÇÃO DE QUALQUER PREFEITURA, GOVERNO DE ESTADO E MUITO MENOS DO GOVERNO FEDERAL - NÃO SOMOS UMA ONG OU FUNDAÇÃO, ASSOCIAÇÃO OU CENTRO CULTURAL E TAMBÉM NÃO SOMOS FINANCIADOS POR NENHUM PARTIDO POLÍTICO OU DENOMINAÇÃO RELIGIOSA - NÃO SOMOS FINANCIADOS PELO TRÁFICO DE DROGAS E/OU MILICIANOS - O OBSERVATÓRIO COMUNITÁRIO É UMA EXTENSÃO DO CAMPINARTE DICAS E FATOS - INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS - GRATO PELA ATENÇÃO / HUAYRÃN RIBEIRO

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Pesquisador lança livro em Natal sobre a mulher na literatura de cordel

No mês do folclore, Gutenberg Costa lança livro sobre presença da mulher na literatura de cordel (Foto: Divulgação)
No mês do folclore, pesquisador lança livro sobre
presença feminina no cordel (Foto: Divulgação)
O pesquisador e folclorista Gutenberg Costa estudou durante uma década o tema da presença feminina na literatura de cordel potiguar. O resultado deste trabalho está no livro “A Presença Feminina na Literatura de Cordel do Rio Grande do Norte- a mulher na memória do folheto potiguar”. O lançamento acontece na próxima quinta-feira (20) no Museu de Cultura Popular Djalma Maranhão, no bairro da Ribeira, Zona Leste de Natal.
Fascinado pela cultura popular, o autor do livro coleciona folhetos de cordel desde a adolescência e já publicou outros livros sobre esse gênero. O mais recente trabalho, sobre a presença das mulheres no Cordel do RN- aborda várias temáticas da figura feminina nessa literatura, tais como a presença da mulher nos folhetos, no repente e viola, a discriminação em vários ângulos da cultura popular, a violência contra a mulher, as temáticas de destaque, autores e títulos, e ainda um capítulo com a vida e obra de mais de 50 mulheres cordelistas do estado.
Embora hoje a presença feminina seja relativamente expressiva na literatura de cordel, no passado não foi bem assim, segundo o pesquisador. Gutenberg destaca o machismo, muitas vezes presente na cultura popular: “A literatura de cordel foi, durante muito tempo, uma produção marcadamente masculina. Muitas dessas mulheres utilizaram pseudônimos masculinos para escaparem da censura e discriminação da época.” Gutenberg cita o caso da poetisa Josenira Fraga, que se identificava como “Zé do Povo”, principalmente na autoria dos folhetos políticos.
O livro oferece uma ótima bibliografia sobre o cordel feminino. Além de não descuidar do passado, conta o que há de novidade no cordel de circunstância: os crimes e os assuntos em pauta na atualidade.
Autor
Gutenberg é pedagogo e bacharel em direito. Publicou mais de vinte livros. Alguns títulos: “Profetas do Nordeste” (1994), “A Presença de Câmara Cascudo na Literatura de Cordel” (1998), “Natal: Personagens Populares” (1999), “Dicionário Papa-jerimum de Apelidos” (2001), “Dicionário de Cordelistas do RN” (2004).
Serviço
Data: quinta-feira, 20 de agosto de 2015.
Local: Museu de Cultura Popular Djalma Maranhão (na antiga Rodoviária da Ribeira)
Horário: a partir das 17h.
Na ocasião, um coquetel regional será oferecido ao público.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.