Vídeos

Notícias - Google Notícias

CINEMA / Filmow - Notícias Populares

ESTE BLOG É INDEPENDENTE - NÃO RECEBE (E NEM QUER) SUBVENÇÃO DE QUALQUER PREFEITURA, GOVERNO DE ESTADO E MUITO MENOS DO GOVERNO FEDERAL - NÃO SOMOS UMA ONG OU FUNDAÇÃO, ASSOCIAÇÃO OU CENTRO CULTURAL E TAMBÉM NÃO SOMOS FINANCIADOS POR NENHUM PARTIDO POLÍTICO OU DENOMINAÇÃO RELIGIOSA - NÃO SOMOS FINANCIADOS PELO TRÁFICO DE DROGAS E/OU MILICIANOS - O OBSERVATÓRIO COMUNITÁRIO É UMA EXTENSÃO DO CAMPINARTE DICAS E FATOS - INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS - GRATO PELA ATENÇÃO / HUAYRÃN RIBEIRO

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

sábado, 30 de janeiro de 2016

Dia Nacional dos Quadrinhos

30 de Janeiro

Hoje o Brasil comemora a arte sequencial mais amada do mundo.
De acordo com Moacy Cirne, a produção de HQ's no Brasil começa com As aventuras de Nhô-Quím, de Angelo Agostini, na revista Vida Fluminense, em 1869.
Os quadrinhos, de forma caricatural, estavam principiando no Brasil, mas esse começo já acontecera no Japão, na Suiça, na Alemanha e provavelmente em outros países também; decerto, entre nós, não com o nome de "quadrinho". Mas isso não faz muita diferença.
Tínhamos as "histórias ilustradas", a "Literatura em estampas" ou simplesmente os "Romances caricaturados", histórias e romances esses que vislumbravam, em termos narrativos, todo o potencial criativo de uma linguagem gráfica em surgimento, sem nome definido mas com um futuro promissor.
Nossos artistas nacionais sonharam com narrativas visuais mais complexas fundadas nos cartuns, na caricatura, no desenho gráfico e artes sequenciais.
As linguagens se intercomunicaram e os quadrinhos brasileiros sofreram influência do cinema, da Literatura, das Artes Plásticas e da Música. Mesmo diante da rigidez da chamada "alta cultura" os quadrinhos, no Brasil e no mundo, exigiram maiores considerações intelectuais.
Em terras brasileiras , no ano de 1883, vivemos as aventuras de Zé Caipora, de Angelo Agostini, publicadas na Revista Ilustrada (RJ), o primeiro grande personagem do humor gráfico brasileiro. Em 1905, brincamos com O Tico-Tico (RJ, O Malho), em 1906 conhecemos O Talento do Juquinha, de J. Carlos (RJ, O Malho), em 1907, As mentiras do Manduca, de Alfredo Storni (em O Tico-Tico), ao lado desta história, outras produzidas nas décadas de 20, 30 e 40, tais como Kaximbow, de Max Yantok; Zé Macaco, de Storni; Carrapicho, de J Carlos; Reco-Reco, Bolão e Azeitona, de Luiz Sá; Brucutu em O Globo Juvenil (RJ, O Globo); No País das Amazonas, de R. Iltzke (RJ); Capitão Gralha, de Francisco Iwerten; Tinoco, O caçador de Feras, de The; O Guarani, de Jaime Cortez; Ignorabus, O Contador de Histórias, de Millôr Fernandes dentre outros. O Amigo da onça, de Péricles é o destaque da década de 1950.
Ainda nesta década Clóvis Moura cria Zumbi dos Palmares e Luiz Sá cria Maria Fumaça. Na década de 60 Pererê, criação de Ziraldo, mais do que quadrinhos para crianças, faz uma profunda reflexão - sob o crivo do populismo - sobre o Brasil da época, entre 1960 e 1964, quando a revista acaba.
Os quadrinhos da década de 70 foram geniais e marcaram gerações com histórias e personagens como The Supermãe, de Ziraldo; Zeferino, de Henfil; Mônica, de Maurício de Souza e a contracultural revista Balão, de Luiz Gê, Chico e Paulo Caruzo, entre outros.
Os 80 assistiram ao "boom" dos fanzines e das adaptações literárias mas também à criações como Niquel Náusea, de Fernando Gonçales; Monga, A Mulher Gorila e O Menino Maluquinho de Ziraldo.
Fonte: nonartequadrinhos.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.