Vídeos

Notícias - Google Notícias

CINEMA / Filmow - Notícias Populares

ESTE BLOG É INDEPENDENTE - NÃO RECEBE (E NEM QUER) SUBVENÇÃO DE QUALQUER PREFEITURA, GOVERNO DE ESTADO E MUITO MENOS DO GOVERNO FEDERAL - NÃO SOMOS UMA ONG OU FUNDAÇÃO, ASSOCIAÇÃO OU CENTRO CULTURAL E TAMBÉM NÃO SOMOS FINANCIADOS POR NENHUM PARTIDO POLÍTICO OU DENOMINAÇÃO RELIGIOSA - NÃO SOMOS FINANCIADOS PELO TRÁFICO DE DROGAS E/OU MILICIANOS - O OBSERVATÓRIO COMUNITÁRIO É UMA EXTENSÃO DO CAMPINARTE DICAS E FATOS - INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS - GRATO PELA ATENÇÃO / HUAYRÃN RIBEIRO

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

quarta-feira, 30 de abril de 2014

METRÔ RIO APRESENTA À ALERJ MEDIDAS PARA A COPA DO MUNDO

Faltando pouco mais de um mês para a Copa do Mundo, o Metrô Rio apresentou à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) o plano de operação para os sete dias em que haverá partidas no Maracanã. Dentre as medidas, anunciadas nesta quarta-feira (30/04) durante audiência pública da Comissão de Transportes, estão a gratuidade para torcedores que tenham ingressos para os jogos e a criação de duas linhas de integração de ônibus com os aeroportos: a Santos Dumont-Cinelândia  e a Tom Jobim-Del Castilho. “Daqui a pouco, a Copa do Mundo vai começar, o mundo todo vai participar, e a nossa preocupação é que o metrô tenha condições de atender a todos esses usuários. Mas, dentro dos investimentos propostos pelo metrô, 70% já foram concluídos, como os 19 trens novos que chegaram e já estão circulando. Isso tranquilizou bastante a comissão”, pontuou o presidente da comissão, deputado Marcelo Simão (PMDB).
O Metrô Rio espera transportar, em média, 80 mil torcedores para cada um dos sete jogos no Rio. Para atender a demanda de turistas que virão à cidade apenas para ver as partidas, a concessionária montou trajetos especiais com seus ônibus para levar quem sair do Tom Jobim para a estação de Del Castilho, na Linha 2; e os torcedores que pousarem no Santos Dumont para a Cinelândia, na Linha 1. Além disso, há outra linha em operação, que liga a do Estácio (linhas 1 e 2) à Rodoviária Novo Rio. Dessas estações, todos seguirão para a do Maracanã, na Linha 2. O esquema é o mesmo utilizado na Copa das Confederações, no ano passado. “Esse volume de pessoas que esperamos receber para a Copa é perfeitamente absorvido pelo sistema e pela capacidade que a gente tem” garantiu o diretor de Engenharia da concessionária, Joubert Flores.
Baseado na experiência com a Copa das Confederações, o Metrô Rio informou que vai manter a gratuidade das passagens com a apresentação dos ingressos na ida aos jogos. Na volta, as roletas serão liberadas para que não haja tumulto na saída do estádio. “Nós pretendemos utilizar a experiência que adquirimos na Copa das Confederações, onde a gente transportou no jogo final 80% das pessoas que assistiram à partida” lembrou Flores.  Também haverá um aumento no número de voluntários bilíngues trabalhando nas estações. “No ano passado, contamos com 35 funcionários. Neste ano, já temos inscritos 120”, afirmou o diretor da concessionária.
O engenheiro de Transportes Fernando MacDowell, da Coppe/UFRJ, afirmou que o melhor sistema de transporte da capital é o metrô, mas ressaltou aspectos que precisam ser revistos. “Os intervalos no metrô ainda são muito irregulares e a Linha 1 precisa ser modificada. No entanto, para a Copa do Mundo o metrô está dentro dos parâmetros esperados. A estação Maracanã é a de maior capacidade que o Rio tem. Apesar de parecer pequena, ela é eficiente o bastante para levar as pessoas até o estádio”, considerou MacDowell.
Já o chefe da Divisão de Sistema da Secretaria de Estado de Transportes, Wagner Bastos, disse que todas as mudanças e ampliações das linhas de metrô estão sendo estudadas pelo Governo. A secretaria criou um grupo de trabalho para montar o edital de licitação para elaboração dos projetos básicos para expansão das estações Uruguai (Tijuca) ao Méier, na Linha 1; do Estácio ao Largo da Carioca (Linha 2); e do Jardim Oceânico ao Terminal Alvorada, na Barra, na futura Linha 4). Esses projetos saíram do papel após a aprovação de uma emenda do deputado Luiz Paulo (PSDB), em fevereiro, para que um empréstimo de R$ 3,5 bilhões do BNDES para a construção da Linha 4 também seja usado para financiar estudos para a ampliação do sistema. Também participou da audiência o deputado Dionísio Lins (PP).
Texto de Buanna Rosa

Fernanda Galvão
Diretoria Geral de Comunicação Social 
da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro
2588-1153 / 99433-3994 / 99726-0409 / 98890-6652

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.