Vídeos

Notícias - Google Notícias

CINEMA / Filmow - Notícias Populares

ESTE BLOG É INDEPENDENTE - NÃO RECEBE (E NEM QUER) SUBVENÇÃO DE QUALQUER PREFEITURA, GOVERNO DE ESTADO E MUITO MENOS DO GOVERNO FEDERAL - NÃO SOMOS UMA ONG OU FUNDAÇÃO, ASSOCIAÇÃO OU CENTRO CULTURAL E TAMBÉM NÃO SOMOS FINANCIADOS POR NENHUM PARTIDO POLÍTICO OU DENOMINAÇÃO RELIGIOSA - NÃO SOMOS FINANCIADOS PELO TRÁFICO DE DROGAS E/OU MILICIANOS - O OBSERVATÓRIO COMUNITÁRIO É UMA EXTENSÃO DO CAMPINARTE DICAS E FATOS - INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS - GRATO PELA ATENÇÃO / HUAYRÃN RIBEIRO

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Literatura infanto-juvenil para educar e divertir

Carlos de Souza [ fcarlos@tribunadonorte.com.br  ]
Caio Riter lança seu primeiro livro pela Editora Gaivota: Maria e seu sorriso na janela. Inspirado no poema As Meninas, de Cecília Meireles, o autor, de maneira sensível e delicada, trabalha com os temas do amor e da perda.
O pequeno Marcelo está sempre andando de skate por aí; a alegria de seu passeio é ver Maria sorrindo, com suas tranças negras esvoaçando pela janela. Tinha vontade de convidar a menina para sair à rua e brincar com ele, mas sempre lhe faltava coragem. Até que um dia não vê mais a menina debruçada na janela…
Com uma linguagem simples e poética, que mostra a perda de Marcelo e o seu arrependimento por nunca ter trocado uma palavra com Maria, o autor Caio Riter consegue sensibilizar o leitor. As ilustrações em tons pastéis do espanhol Rafael Antón contribuem para a beleza do livro, assim como o projeto gráfico, que remete à janela de Maria.
Maria e seu sorriso na janela traz a ternura da paixão, ao mesmo tempo em que mostra ao leitor a dura dor da perda.
Caio Riter nasceu em Porto Alegre, onde mora até hoje. É professor mestre e doutor em Literatura Brasileira. Autor de vários livros, com os quais recebeu algumas distinções literárias, como os prêmios Açorianos, Barco a Vapor, Orígenes Lessa e Selo Altamente Recomendável, entre outros. Formado em Jornalismo e em Letras, ministra aulas no ensino fundamental e médio desde 1987, atuando também como professor universitário em cursos de graduação e de pós-graduação, além de realizar palestras em cursos de capacitação de professores.
Rafael Antón nasceu na Galícia, Espanha, e agora mora em São Paulo. Realiza trabalhos para produtoras de cinema e agências de publicidade com criação de storyboards, animatics e ilustrações em geral.
Também da Editor Biruta, os leitores devem conferir este O Homem do Sonho. Já imaginaram como os sonhos surgem? O autor italiano Gianni Rodari conta como um singelo homenzinho chega devagar no começo da noite e nos leva para um mundo cheio de possibilidades e maluquices! Com as ilustrações de Anna Laura Cantone, é possível viajar junto com O Homem do Sonho!
Por um grande escorregador no arco-íris, uma intensa fuga e até uma encrenca na escola, ele faz você passar!
O texto tem um toque poético e nos leva a pensar no que nosso inconsciente faz durante a noite! A única coisa que você vai querer fazer quando acordar é procurar aquele que te fez flutuar num mundo de imaginação e fantasias.
O jornalista e escritor Gianni Rodari (1920-1980), ganhador do prêmio Hans Christian Andersen, foi considerado um dos melhores escritores de literatura infantil da Itália. Suas histórias, contos e poesias contribuíram para renovar a literatura destinada às crianças.
Anna Laura Cantone graduou-se em ilustrações para crianças no Instituto Europeu de Desenho de Milão. Tem muitos livros ilustrados e premiados, como O mundo da Infância, que em 2003 recebeu o Prêmio Andersen.
Está chegando também às livrarias Da Terra à Lua, do renomado autor Jules Verne, agora em versão bilíngue, para pais e filhos. Publicado em 1865 e um dos marcos na reconhecida bibliografia do escritor, apresenta dados cuidadosamente preparados sobre astronomia, mecânica, geografia, química e física, produzindo uma combinação perfeita entre plausibilidade e especulação e garantindo ao leitor que esta grande aventura não seria apenas uma fantasia, mas sim uma possibilidade científica.
Durante a guerra civil dos Estados Unidos da América, fundou-se na cidade de Baltimore, um novo clube privado, muito influente, em que uma condição imprescindível era imposta a todos aqueles que quisessem se filiar: ter criado ou pelo menos ter aperfeiçoado uma arma de fogo. Este era o Clube do Canhão! Entretanto, o ócio resultante da paz veio mergulhar os membros do clube do canhão em uma lamentável inatividade, chegando-se a ansiar pelo reatamento das hostilidades. Impunha-se definir um novo objetivo que permitisse novamente mobilizar o engenho e a paixão dos membros do clube pelo desenvolvimento da balística.
Assim sendo, o presidente do clube do canhão, Barbicane, propõe o seguinte projeto: utilizar todo o conhecimento à disposição para se construir um canhão com poder e dimensão suficientes para disparar um projétil em direção à Lua. A proposta foi acolhida com clamores entusiastas e em completa euforia, não apenas no clube, mas por todo o mundo.
Um aventureiro francês de modos extravagantes, Michel Ardan, une-se à empreitada e propõe que o projétil seja tripulado, se apresentando como voluntário.
Jules Verne acreditava na capacidade do homem de fazer o impossível e, ao longo da narrativa, apresenta seu otimismo para com a ciência e sua crença no progresso da humanidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.