Vídeos

Notícias - Google Notícias

CINEMA / Filmow - Notícias Populares

ESTE BLOG É INDEPENDENTE - NÃO RECEBE (E NEM QUER) SUBVENÇÃO DE QUALQUER PREFEITURA, GOVERNO DE ESTADO E MUITO MENOS DO GOVERNO FEDERAL - NÃO SOMOS UMA ONG OU FUNDAÇÃO, ASSOCIAÇÃO OU CENTRO CULTURAL E TAMBÉM NÃO SOMOS FINANCIADOS POR NENHUM PARTIDO POLÍTICO OU DENOMINAÇÃO RELIGIOSA - NÃO SOMOS FINANCIADOS PELO TRÁFICO DE DROGAS E/OU MILICIANOS - O OBSERVATÓRIO COMUNITÁRIO É UMA EXTENSÃO DO CAMPINARTE DICAS E FATOS - INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS - GRATO PELA ATENÇÃO / HUAYRÃN RIBEIRO

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Problemas no ensino de literatura já duram quatro décadas

Por meio da análise de trabalhos acadêmicos realizados entre 1975 e 2004 e de estudos quantitativos e qualitativos com professores de português que lecionam no Ensino Médio da rede pública da cidade de São Paulo, a pesquisadora Gabriella Rodella de Oliveira, mestre em Linguagem e Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FE/USP), constatou que os principais entraves para a formação de alunos leitores já duram pelo menos quatro décadas.



A pesquisa, orientada por Neide Luzia Rezende, professora da FE/USP, e relatada no livro O Professor de Português e a Literatura, publicado com apoio da FAPESP, revela a persistência de um ensino calcado em períodos históricos literários e em características de época, resultando na homogeneização das obras literárias e das construções de cada autor – e em tédio e desinteresse por parte dos alunos.

De acordo com a autora, tal panorama esteve e continua relacionado com a precariedade na formação dos professores, que não se identificam como produtores de conhecimento capazes de definir e selecionar o que deve ser estudado, debatido e produzido com os estudantes.

Entre as consequências, Oliveira aponta dificuldades em manejar a análise dos textos literários, a escolha de obras consideradas mais tradicionais e a dependência de livros e programas de exames vestibulares.

Em um momento em que a escola enfrenta desafios particulares no ensino da literatura – com a demanda por novas ideias, modos de ler, textos e suportes, advinda com a cultura digital –, a autora identificou a necessidade de conhecer a formação de hábitos leitores pelos próprios docentes de português, investigar como enxergam a leitura e se relacionam com ela e estudar as concepções que eles têm sobre o que e como ler no Ensino Médio (etapa em que a literatura se constitui oficialmente como disciplina).

Com esses objetivos, Oliveira dedicou a primeira etapa da pesquisa a um estudo quantitativo com 87 professores, que responderam um questionário sobre hábitos de leitura e práticas docentes.

A análise do material , de acordo com a autora, descreve um professor com o seguinte perfil médio: origem em família com baixa escolarização; pouco contato com a leitura na infância; integrante da primeira geração familiar a conquistar uma escolarização de longa duração (embora precária); ensino básico concluído na rede pública e superior, em instituição particular; salário baixo e longa jornada de trabalho; participação em formações continuadas muitas vezes ineficazes; leitor restrito a best-sellers e clássicos escolares.

Nas respostas, TV e internet apareceram como “fatores desestimulantes a um modo de leitura que os alunos, supostamente, deveriam ser capazes de realizar, tipo de leitura que os próprios professores não costumam praticar”, relata a autora no capítulo de conclusão.

Além das tendências de ensinar literatura a partir de um modelo historicista e de atribuir a responsabilidade pelo fracasso do ensino ao aluno, Oliveira também aponta que os professores “tendem a não enxergar no estudante os alunos que eles mesmos foram”.

As demais etapas do trabalho envolveram análises mais detalhadas das respostas de 16 professores – sendo que 12 deles correspondiam ao perfil médio identificado e quatro desviavam do mesmo – e entrevistas individuais em profundidade com esses quatro docentes que fugiram do padrão mediano.

O conjunto de dados oferecido pelas investigações, somado aos estudos relacionados a trabalhos acadêmicos desenvolvidos na área a partir de 1975, aponta, segundo Oliveira, para o fato de que, mesmo cobrindo um longo intervalo de tempo e utilizando diferentes aparatos teóricos e metodológicos, as pesquisas terminaram por chegar a conclusões bastante semelhantes.

O Professor de Português e a Literatura
Autora: Gabriela Rodella de Oliveira
Editora: Alameda
Preço: R$ 42,00
Páginas: 296

Mais informações:



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.