Vídeos

Notícias - Google Notícias

CINEMA / Filmow - Notícias Populares

ESTE BLOG É INDEPENDENTE - NÃO RECEBE (E NEM QUER) SUBVENÇÃO DE QUALQUER PREFEITURA, GOVERNO DE ESTADO E MUITO MENOS DO GOVERNO FEDERAL - NÃO SOMOS UMA ONG OU FUNDAÇÃO, ASSOCIAÇÃO OU CENTRO CULTURAL E TAMBÉM NÃO SOMOS FINANCIADOS POR NENHUM PARTIDO POLÍTICO OU DENOMINAÇÃO RELIGIOSA - NÃO SOMOS FINANCIADOS PELO TRÁFICO DE DROGAS E/OU MILICIANOS - O OBSERVATÓRIO COMUNITÁRIO É UMA EXTENSÃO DO CAMPINARTE DICAS E FATOS - INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS - GRATO PELA ATENÇÃO / HUAYRÃN RIBEIRO

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

CPI DAS CRIANÇAS DESAPARECIDAS OUVE PRESIDENTE DO ISP

Mais de 70% das crianças desaparecidas no Estado do Rio voltam para suas casas. Os números foram revelados pelo presidente do Instituto de Segurança Pública (ISP/RJ), coronel Paulo Augusto Souza Teixeira, nesta quinta-feira (28/11), durante reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) que investiga o tráfico de crianças no estado. A audiência foi conduzida pelo presidente do colegiado, deputado Paulo Ramos (PSol). Os dados são de investigações da Polícia Civil, realizadas em 2007, e foram publicados pelos ISP, em 2009, em um estudo sobre os desaparecidos no estado. “Esse intervalo foi importante, pois as apurações avançaram e algumas pessoas voltaram para suas casas. Descobrimos que mais de 70% retornam”, revelou o oficial, dizendo haver um perfil detalhado com sexo, faixa etária e cor das vítimas.
No material também há detalhes sobre as motivações desses sumiços. As causas básicas são a fuga, predominantemente de menores que são dependentes de seus familiares, mas sofrem alguma situação que os oprime; há o grupo de pessoas com distúrbios mentais, que são encontradas na rua, não sabem dizer onde moram e acabam sendo encaminhadas para instituições especializadas; e a violência, quando há relação com tráfico de drogas, ou outro tipo de envolvimento com atividades criminosas organizadas, como agiotagem e jogo do bicho. “Também são motivos de desaparecimentos casos relacionados com atividades recreativas, como boates, festas e raves, e aqueles que saem de casa para comprar algo necessário e simplesmente não voltam”, conta Teixeira.
O presidente da CPI lembrou do trabalho da delegada Cristina Coelli Cicarelli, da 3º Delegacia da Polícia Civil de Minas Gerais, que participou da última reunião da CPI. O parlamentar reforçou a importância da troca de experiências. “Ela criou uma rede de interlocução e apresenta dados que demonstram o êxito das ações. Até já encaminhamos à chefe de polícia Martha Rocha essa sugestão, para que uma equipe da Polícia Civil fluminense vá até Belo Horizonte para recolher as experiências adquiridas. Também deixamos a mesma sugestão para o coronel Paulo”, afirma.
O parlamentar também defendeu a união da comissão com a CPI que investiga as causas e responsabilidade por pessoas desaparecidas no estado, presidida pelo deputado Luiz Martins (PDT). “Nós investigamos o tráfico de crianças, já que existe uma CPI investigando os desaparecidos, vale a pena unirmos esforços. Inclusive vou sugerir a fusão dos dois grupos, porque estamos caminhando no mesmo sentido, já que o tráfico de crianças envolve o desaparecimento”, ponderou.
O vice-presidente Luiz Paulo (PSDB) e relator Jânio Mendes (PDT) também estiveram presentes no encontro.
(texto de Lucas Lima)



Pedro Motta Lima
Diretoria de Comunicação Social da Alerj
(21) 2588-1627 / 2588-1404
(21) 98681-0303

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.