Vídeos

Notícias - Google Notícias

CINEMA / Filmow - Notícias Populares

ESTE BLOG É INDEPENDENTE - NÃO RECEBE (E NEM QUER) SUBVENÇÃO DE QUALQUER PREFEITURA, GOVERNO DE ESTADO E MUITO MENOS DO GOVERNO FEDERAL - NÃO SOMOS UMA ONG OU FUNDAÇÃO, ASSOCIAÇÃO OU CENTRO CULTURAL E TAMBÉM NÃO SOMOS FINANCIADOS POR NENHUM PARTIDO POLÍTICO OU DENOMINAÇÃO RELIGIOSA - NÃO SOMOS FINANCIADOS PELO TRÁFICO DE DROGAS E/OU MILICIANOS - O OBSERVATÓRIO COMUNITÁRIO É UMA EXTENSÃO DO CAMPINARTE DICAS E FATOS - INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS - GRATO PELA ATENÇÃO / HUAYRÃN RIBEIRO

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

APROVADA PROPOSTA QUE QUER AUMENTAR REDE DE ABRIGOS PARA MULHERES

A Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) aprovou nesta quinta-feira (07/11), em segunda discussão, o projeto de lei 901/11, que poderá ampliar a rede de abrigos de acolhimento para mulheres agredidas, além oferecer a qualificação profissional das vítimas. Proposto pela deputada Enfermeira Rejane (PCdoB), ele modifica a lei que autorizou a criação os abrigos (Lei 2.449/95), frisando que os abrigos serão criados em todo o estado, ampliando de três para seis meses o período máximo de permanência e acrescentando a oferta de cursos de capacitação e orientação profissional durante a estadia nos abrigos. “É importantíssimo que esses locais ofereçam instrumentos que deem autonomia a essas mulheres. Do contrário, continuaremos a ver vítimas retornando ao ambiente de abuso, por falta, muitas vezes, de opção”, alerta a autora da proposta. O projeto também determina o encaminhamento das mulheres ao Sistema Nacional de Emprego (Sine).
De acordo com Rejane, há apenas quatro abrigos desse tipo no estado. “O que não atende bem às vítimas, não só por uma questão de espaço como pela localização. Muitas mulheres não aceitam ir para outro município”, salienta. O texto da parlamentar, que permite que as vítimas fiquem nos abrigos por mais 30 dias após o fim do prazo de seis meses, será encaminhado ao governador Sérgio Cabral, que terá 15 dias úteis para sancionar ou vetar a proposta.
(texto de Fernanda Porto)



Pedro Motta Lima
Diretoria de Comunicação Social da Alerj
(21) 2588-1627 / 2588-1404
(21) 8681-0303


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.