PARADÃO CAMPINARTE

ESTE BLOG É INDEPENDENTE - NÃO RECEBE (E NEM QUER) SUBVENÇÃO DE QUALQUER PREFEITURA, GOVERNO DE ESTADO E MUITO MENOS DO GOVERNO FEDERAL - NÃO SOMOS UMA ONG OU FUNDAÇÃO, ASSOCIAÇÃO OU CENTRO CULTURAL E TAMBÉM NÃO SOMOS FINANCIADOS POR NENHUM PARTIDO POLÍTICO OU DENOMINAÇÃO RELIGIOSA - NÃO SOMOS FINANCIADOS PELO TRÁFICO DE DROGAS E/OU MILICIANOS - O OBSERVATÓRIO COMUNITÁRIO É UMA EXTENSÃO DO CAMPINARTE DICAS E FATOS - INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS - GRATO PELA ATENÇÃO / HUAYRÃN RIBEIRO

domingo, 26 de março de 2017

Morre ministro do Exército nos governos Itamar e FHC | Agência Brasil - Últimas notícias do Brasil e do mundo

Morreu hoje (26), no Rio de Janeiro, o general-de-exército Zenildo Gonzaga Zoroastro de Lucena. Natural de São Bento do Una (PE), onde nasceu em janeiro de 1930, Lucena foi ministro do Exército nos governos Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso. Neste, no primeiro mandato presidencial.
A informação foi dada pelo Comando Militar do Leste, adiantando que o velório está marcado para amanhã (27), no Palácio Duque de Caxias, na Avenida Presidente Vargas, centro da capital fluminense, das 9h às 13h. Ao meio-dia haverá missa de corpo presente, seguida das honras fúnebres.
O ex-ministro do Exército deixa esposa, duas filhas e cinco netos.

Movimentos sociais fazem manifestação em apoio à Lava Jato

quinta-feira, 23 de março de 2017

Desmatamento na Amazônia causou morte ou deslocamento de mais de 4 milhões de aves | Radioagência Nacional


Mais de 4 milhões de aves e cerca de 140 mil macacos foram mortos ou tiveram que se deslocar por causa do desmatamento em unidades de conservação na Amazônia. Os dados são da organização Imazon – Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia.

O estudo divulgado pela instituição, nesta semana, mostra que entre 2012 e 2015, de todo o desmatamento na Amazônia, o percentual das ocorrências em unidades de conservação é de 12%. Um dado alarmante, visto que deveriam ser as áreas mais protegidas para conservação de animais e plantas.

Uma das autoras da pesquisa, Elis Araújo ressalta que em relação à fauna atingida, os números são altos, mas ainda subestimados.

Sonora: "Nós fizemos uma estimativa com base no total desmatado em toda a Amazônia Legal, e com base em um estudo desenvolvido por pesquisadores do museu Emílio Goeldi, nós fizemos essa estimativa de quanto é que se teria perdido em aves e macacos. Então nós chegamos a alguns números bem significativos. Mas são com certeza dados subestimados. O impacto é bem maior."

As principais causas do desmatamento, são ocupações e exploração madeireira ilegais. Elis explica porque essas áreas são tão vulneráveis.

Sonora: "Baixo investimento. Elas contam com pouco pessoal, poucos recursos financeiros. E elas não contam com instrumentos básicos de gestão. E isso as deixa bastante vulneráveis."

Estados que se destacam como fronteira agropecuária, Pará e Rondônia respondem por quase 90% das ocorrências. As unidades de conservação federais estão em maior número no ranking, mas as estaduais apresentaram maior área desmatada.

Sobre a pesquisa do Imazon, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade informou que no ano passado foram aplicados mais de R$ 3 milhões em multas pelo cometimento de infrações e que para este ano, estão previstas ações educativas voltadas para a conservação do meio ambiente.

A pesquisa do Imazon é feita por meio do Sistema de Alerta de Desmatamento e também do Prodes - Programa de Cálculo do Desflorestamento da Amazônia.

Uma senhorinha que tem mais de 20 mil ursinhos




Sonegômetro mostra evasão de impostos no país