ESTE BLOG É INDEPENDENTE - NÃO RECEBE (E NEM QUER) SUBVENÇÃO DE QUALQUER PREFEITURA, GOVERNO DE ESTADO E MUITO MENOS DO GOVERNO FEDERAL - NÃO SOMOS UMA ONG OU FUNDAÇÃO, ASSOCIAÇÃO OU CENTRO CULTURAL E TAMBÉM NÃO SOMOS FINANCIADOS POR NENHUM PARTIDO POLÍTICO OU DENOMINAÇÃO RELIGIOSA - NÃO SOMOS FINANCIADOS PELO TRÁFICO DE DROGAS E/OU MILICIANOS - O OBSERVATÓRIO COMUNITÁRIO É UMA EXTENSÃO DO CAMPINARTE DICAS E FATOS - INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS - GRATO PELA ATENÇÃO / HUAYRÃN RIBEIRO

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

terça-feira, 25 de abril de 2017

7 Motivos Para Realizar uma Viagem a Machu Picchu | Viajantes de Primeira Viagem

Machu Picchu é um dos destinos mais escolhidos pelos viajantes aventureiros. Trata-se de uma antiga cidade inca que se encontra a 112 km de Cusco, no Peru.
Muitos viajantes que tiveram a oportunidade de conhecê-la relatam que Machu Picchu encanta em vários aspectos, tanto sua bela paisagem quanto sua enigmática história chama a atenção dos visitantes.
Quer conferir mais motivos para realizar uma viagem a Machu Picchu?
Então nos acompanhe neste artigo.

1. CONHECER UMA DAS 7 MARAVILHAS DO NOVO MUNDO

Visitando Machu Picchu você terá a oportunidade de conhecer uma das 7 Maravilhas do Novo Mundo e o melhor de tudo é que esse destino se encontra bem próximo ao Brasil, na América do Sul, onde brasileiro não precisa de passaporte para entrar.

2. TENTAR DESVENDAR SUA MISTERIOSA HISTÓRIA

Imagem do sítio arqueológico de Machu Picchu no Peru.
Foto: Machu Picchu, Peru – Pixabay
A História de Machu Picchu é uma das mais enigmáticas que existem. Pois este sítio arqueológico permaneceu desconhecido pelo mundo até 1911, quando o arqueólogo americano Hiram Bingham relatou sobre o lugar, reconhecendo-o como um verdadeiro achado histórico.
Acredita-se que a cidade tenha sido abandonada após a invasão dos espanhóis no século XV. Mas nada se sabe sobre o povo inca que habitava o lugar além de teorias.
Em uma visita com guias turísticos você terá a oportunidade de conhecer mais a fundo essas teorias e tentar desvendar a misteriosa história da cidade, vendo de perto suas peculiares construções que se mantiveram inteiras por tantos séculos.
Observação: é interessante contratar um guia turístico quando se dirigir a Machu Picchu, dessa forma você saberá mais sobre a história do lugar e não ficará perdido apenas tirando fotos.
Há guias que fazem o passeio em inglês, espanhol e até mesmo português. E unindo-se a um grupo de turistas a experiência não fica tão cara.

3. VIVER UMA AVENTURA

Imagem de Machu Picchu em outro ângulo.
Foto: Machu Picchu, Peru – Pixabay
Fora a visita ao sítio arqueológico que já é uma grande aventura. Chegar até ele também é. Afinal não há voos diretos do Brasil para Cusco, cidade mais próxima de Machu Picchu.
É necessário voar do Brasil a Lima, depois pegar um novo voo para Cusco e de Cusco escolher como prosseguir a viagem.
Se você tem um bom preparo físico e curte uma boa aventura, vai apreciar a Trilha Inca, uma viagem a pé de 4 dias, passando pelas montanhas Warmiwañusga e Runkuragay.
Agora se você quer chegar a Machu Picchu descansado pode optar pela viagem de trem, que é a mais escolhida pelos turistas.
No Peru há duas empresas ferroviárias disponíveis, a Peru Rail e a Inca Rail. Os trens saem de Poroy ou Ollantayatambo com destino a Machu Picchu Pueblo, um povoado que fica na base de Machu Picchu, também chamado de Águas Calientes.
A vigem de trem é rápida, durando apenas 1h30min, em que você poderá apreciar a bela paisagem composta pelo rio Urubamba, montanhas e ruínas incas.
Observação: é importante que você calcule a distância entre Cusco e as estações ferroviárias e chegue com antecedência, para não correr o risco de perder o trem.
É possível se dirigir às estações de ônibus, vans ou táxis. Você pode adquirir as passagens de trem nas próprias agências de viagem ou na Plaza das Armas ou nos próprios sites das empresas. O ideal é adquiri-las com antecedência para evitar transtornos.
Chegando em Águas Calientes, basta seguir a pé para Machu Picchu, um passeio que leva 1h30min ou pegar um micro-ônibus que sobe a montanha em 20 minutos.
Observação: muitos viajantes recomendam que os turistas pernoitem em Águas Calientes antes de subir a Machu Picchu, uma vez que o passeio é muito cansativo, dessa forma poderão descansar, saborear as deliciosas comidas locais e conversar com os habitantes do pequeno povoado que são bem hospitaleiros, para então estarem bem dispostos no dia seguinte.
Encontre a hospedagem ideal para você no BOOKING.COM:

4. PASSEAR POR CUSCO E PELO VALE SAGRADO

Imagem da cidade de Cusco no Peru.
Foto: Cusco, Peru – Pixabay
Alguns viajantes recomendam um passeio por Cusco e pelo Vale Sagrado antes de seguir a Machu Picchu.
Cusco, a capital do Império Inca é um lugar incrível para conhecer. Ela é composta por bons hotéis, bares e restaurantes.
Vale a pena passear pela cidade e conferir suas atrações históricas, ruínas e arquitetura espanhola ao mesmo tempo em que se adapta a alta atitude do local.
Observação: é recomendado que logo que se chegue a Cusco, os viajantes tomem chá de coca e masquem três folhas da planta para evitarem mal estar por conta da altitude. Também é bom maneirar na bebida, uma vez que devido a altitude é fácil ficar bêbado.
Além disso, Cusco conta com ótimos mercados livres, como o Mercado Municipal São Pedro, onde é possível encontrar peças de artesanato, roupas e artigos de prata por preços mais baratos.
Por outro lado no Vale Sagrado você vai conhecer Ollantaytambo e Pisaq, vilarejos, onde você vai encontrar ruínas da civilização inca, belas paisagens e entender melhor os mistérios e histórias que cercam esse povo antigo.

5. EXPLORAR MACHU PICCHU

Imagem de alpaca nas ruínas de Machu Picchu.
Foto: Machu Picchu – Pixabay
Machu Picchu está localizada em uma montanha de granito, a 2400 metros de altitude. O passeio dura cerca de 3 a 5 horas em que você vai passar subindo e descendo degraus bem altos para admirar a bela paisagem local, tirar fotos das ruínas e construções e conhecer melhor a história da civilização inca.
E se você for mesmo aventureiro ainda poderá realizar a subida a Huayanapicchu, a montanha mais alta do sítio arqueológico, de onde você tem uma visão panorâmica do local. A subida leva em torno de 1 hora.
Outra montanha próxima é Montaña que fica do lado oposto e leva 1h30min de caminhada para chegar ao topo.
Observação: o passeio a essas montanhas é monitorado e por isso deve ser adquirido com antecedência, assim como o ingresso a Machu Picchu que é vendido no site do governo peruano.
Outro passeio em Machu Picchu é a trilha da Ponte Inca, que é gratuito e o caminho é plano, o que facilita a caminhada de 40 minutos.
A trilha leva a uma ponte de madeira, onde se acredita ter sido uma rota de fuga inca. No caminho você poderá ter mais contato com a floresta, apreciando uma bela paisagem.
Encontre ofertas em seguro viagem para a América do Sul na REAL SEGURO VIAGEM:
Seguro viagem america do sul 468x60

6. VIAJAR NO MELHOR HORÁRIO E CLIMA

Machu Picchu é visitado diariamente por milhares de pessoas, por isso é bom se programar para viajar em uma época mais tranquila e com bom clima.
Os melhores meses para visitar o sítio arqueológico é de maio a setembro já que o verão, como no Brasil é bem chuvoso.
É bom evitar os meses de julho e agosto, já que coincide com as férias na Europa e nos Estados Unidos e assim o local fica mais cheio.
Outra dica é evitar visitar Machu Picchu aos domingos, já que nesse dia há promoções para peruanos.
Um dos melhores horários para se dirigir ao local é de manhãzinha, saindo de Águas Calientes às 5h30 da manhã, dessa forma você não só encontra a cidade mais vazia como pode admirar o belo nascer do sol, vendo os raios solares invadirem as montanhas.

7. TER BOAS HISTÓRIAS PARA CONTAR

Os viajantes sempre retornam de suas viagens com boas histórias para contar. E como em Machu Picchu há muito o que apreciar e aprender você voltará de sua viagem animado para narrar toda a sua aventura.

DICAS

Quando se dirigir a Machu Picchu o ideal é vestir roupas confortáveis, usar tênis e levar uma blusa por causa da altitude.
Levar uma mochila ou bolsa com água e lanches leves também é bom, uma vez que o comércio é bem caro no local.
Não se esqueça dos documentos, protetor solar, boné e óculos escuros para se proteger do sol.
Como dissemos anteriormente é bom comprar os ingressos a Machu Picchu com antecedência, uma vez que o número de visitantes é limitado para a preservação do sítio arqueológico.
Os ingressos podem ser comprados no site do governo do Peru, que disponibiliza os seguintes pacotes: Machu Picchu + Montaña ou Machu Picchu + Huayanapicchu para subir as montanhas, ou apenas Machu Picchu quem quiser ficar pelos arredores do sítio arqueológico. O site só aceita pagamento via cartão Visa.
Já os sites das linhas e trem que partem de Cusco para Águas Calientes aceitam apenas cartões de crédito com a tecnologia Verified by Visa ou SecureCode da MasterCard por motivo de segurança.
Esperamos que tenha gostado das informações e que elas tenham lhe ajudado.
Tem vontade de conhecer Machu Picchu? Tem alguma história de lá para contar? Fique à vontade para comentar.
E se gostou do artigo, compartilhe com os amigos nas redes sociais:

7 Motivos Para Realizar uma Viagem Para Florença | Viajantes de Primeira Viagem

Florença é uma das cidades mais famosas da Itália, a qual é considerada o “Berço do Renascimento” e um dos municípios mais lindos do mundo.
Nela você se encantará com belíssimas construções, obras de artistas italianos renomados como Leonardo da Vinci, Michelangelo e Donatello e ainda poderá conferir sua deliciosa gastronomia.
Quer saber mais motivos para realizar uma viagem para Florença?
Então fique atento às informações que reunimos para você.

1. VISITAR SEUS MONUMENTOS

Florença contém vários monumentos que valem a pena visitar. Entre eles temos a Basílica di Santa Maria del Fiore, cuja construção se iniciou no século XIII e levou séculos para ser terminada.
Ela foi edificada em estilo gótico, sendo uma das obras mais impressionantes que se tem notícia. Algo interessante para reparar são seus vitrais que retratam cenas do Velho e Novo Testamento da Bíblia.
Outra igreja muito bonita é a Basílica de São Lourenço, uma das igrejas mais antigas da Itália. Sua construção iniciou-se em 1419 e ela foi planejada por um dos maiores arquitetos da época, Filippo Brunelleschi. Devido à sua beleza e grandiosidade ela foi classificada como Patrimônio Mundial pela Unesco.
Outra linda obra do arquiteto é o Palácio Pitti, um grande palácio renascentista que foi projetado em 1458. Ele é famoso por ter sido a residência da Família Médici no século XVI, uma família importante da época. Além disso, também foi usado como base militar por Napoleão Bonaparte no século XIX.
Sua arquitetura mistura vários estilos, criando um novo estilo palaciano renascentista, contendo inspirações da arquitetura da Idade Média, romana e maneirista florentina.
Imagem panorâmica da ponte Vecchio, em Florença, na Itália.
Foto: Ponte Vecchio, Florença, Itália – Pixabay
A Ponte Vecchio é outro belo monumento que vale a pena conhecer. Acredita-se que ela tenha sido construída pela primeira vez durante o período da Roma Antiga, sendo feita originalmente de madeira, mas que foi destruída pelas cheias de 1333 e reconstruída em 1345 por Taddeo Gaddi.
Outra coisa interessante é que a ponte não foi danificada pelos alemães durante a Segunda Guerra, o que leva muitos a acreditar que tenha sido por uma ordem direta de Hitler.
Ao longo da ponte você vai encontrar vários cadeados, devido a uma antiga ideia dos amantes, que acreditam que ao trancar um cadeado e lançar a chave ao rio, seu amor duraria para sempre.
Apesar de a ideia parecer muito romântica não é mais permitido fazer isso, uma vez que devido ao turismo milhares de cadeados tiveram que ser removidos com frequência, estragando a estrutura da ponte.

2. CONHECER SEUS MUSEUS

Imagem da fachada da Galleria degli Uffizi, em Florença, na Itália.
Foto: Galleria degli Uffizi, Florença, Itália – Pixabay
Outra coisa que chama a atenção em Florença são seus belos museus, sendo que sua maioria está ligada à arte.
Entre eles temos a Galleria degli Uffizi, um palácio que abriga um dos museus mais antigos do mundo, exibindo obras do século XII ao XVIII, contendo a melhor coleção do mundo de obras do Renascimento.
Entre os artistas que se destacam temos Cimbue, Caravaggio, Leonardo da Vinci, Michelangelo, Rafael, Andrea Mantegna, Ticiano, Parmigianino, Peter Paulo Rubens, Sandro Botticelli, entre outros.
Também há a Galeria da Academia de Belas Artes de Florença, outro importante museu que preserva um rico conjunto de obras de arte de fins gótico até o final do século XIX.
Seu grande e belo acervo é divido em espaços, como a Tribuna de David, que tem como peça central a estátua de David de Michelangelo e diversas pinturas de autores como Alessandro Allori, Bronzino e Saviati.
Incorporado à Galeria ainda há o Museu de Instrumentos Musicais, vindo do Conservatório Musical Luigi Cherubini, contendo peças importantes como uma viola tenor e um violino de Antonio Stradivari, um violoncelo de Niccoló Amati e um raro pianoforte original de Bartolomeo Cristofori, o mais antigo exemplar existente.
Fugindo um pouco do tema arte, outro museu interessante é o Museu Galileo, dedicado ao famoso astrônomo Galileu Galilei. Ele se encontra no Palazzo Castellani, sendo inaugurado em 1930.
No início o museu apenas continha objetos do famoso estudioso, mas posteriormente tornou-se mais do que um museu histórico, tornando-se um instituto científico de pesquisa para estudiosos italianos e estrangeiros, tendo até mesmo uma biblioteca.
Encontre ofertas em seguro viagem para a Europa na REAL SEGURO VIAGEM:
Seguro viagem europa 468x60


3. EXPLORAR SEUS MERCADOS

Outro passeio interessante em Florença é explorar seus mercados que contém produtos diferentes, sem falar em pratos deliciosos da gastronomia local. Se você gosta de comprar e não resiste a um souvenir ou quer provar a culinária de Florença é uma boa oportunidade.
Entre eles temos o Mercado Central de Florença (Mercato Central di Firenze), um belo lugar cheia de lojas e restaurantes que vendem pratos típicos e especiarias da culinária italiana.
O mercado foi inaugurado em 1874 e apresenta uma grande variedade para seus visitantes que poderão encontrar restaurantes, pizzaria, cervejaria, padaria, cafeteria, livraria, sorveteria, açougue, banca de frutas, verduras, legumes, especiarias, queijos, peixes e frutos do mar, massas, chocolates, vinhos e até mesmo uma escola de culinária.
Também há o Mercato di San Lorenzo (Mercado de São Lorenzo), um mercado ao ar livre que se encontra em torno da Basílica de San Lorenzo e Mercado Central.
Trata-se da maior e mais importante feira de Florença, onde você encontrar uma boa variedade de souvenires, roupas e acessórios como bolsas e carteiras a preços convidativos.
Outro mercado famoso é o Mercato Nuovo (Mercado Novo), que se encontra instalado em um edifício em Florença, sendo também chamado de Loggia del Mercato Nuevo ou Loggia del Porcellino.
Ele foi construído no século XVI, e no início vendia apenas seda e artigos de luxo, já atualmente vende especialmente artigos de couro e souvenires. Algo que também chama a atenção no local é uma estátua de javali feita de bronze, conhecida como Porcellino, cujo mito diz que se você passar a mão em seu focinho voltará à Florença.

4. VER A VISTA DA CIDADE PELA PIAZZALE MICHELANGELO

Imagem da vista da cidade através da Piazalle Michelangelo, em Florença na Itália.
Foto: Vista da Piazalle Michelangelo, Florença, Itália – Pixabay
A Piazzale Michelangelo é uma praça que fica um pouco afastada do centro turístico da cidade, se encontrando em uma região alta, de onde é possível ter uma vista panorâmica de Florença.
Vale a pena visitá-la, especialmente à tarde, pois você poderá conferir uma bela vista da cidade ao pôr do sol e tirar lindas fotografias.
No lugar você também poderá conferir algumas réplicas de estátuas de Michelangelo, barracas de souvenires e lanches, além de um restaurante no andar inferior com terraço panorâmico para observar melhor a vista da cidade.

5. PASSEAR PELOS JARDINS DE BOBOLI

Imagem da estátua de Netuno nos Jardins Boboli, em Florença, na Itália.
Foto: Jardins de Boboli, Florença, Itália – Pixabay
Os Jardins de Boboli é um belo parque que fica atrás do Palácio Pitti, alguns dos primeiros jardins familiares italianos do século XVI.
Nele você encontrará uma bela coleção de esculturas que datam dos séculos XVI ao XVIII, entre elas a Fonte de
Netuno, uma bacia grande com uma estátua central de bronze de Netuno, criada no século XVI por Stoldo Lorenzi e O Isolotto, uma ilha em forma oval que contém estátuas de Perseu e Andrômeda.
Uma experiência agradável que faz uma bela ligação entre natureza e arte.
Encontre a hospedagem ideal para você no BOOKING.COM:


6. SABOREAR SUA GASTRONOMIA

Imagem de prato típico de Florença, bisteca allá florentina.
Foto: Bisteca allá Florentina – Dry Ager
Sabemos que a Itália é um dos países que possui uma das mais deliciosas culinárias do mundo. E em Florença, particularmente, você poderá comprovar isso.
Entre os pratos que mais chamam a atenção se encontra a bistecca allá florentina (um corte de carne bovina de 800g, feita mal passada na brasa), pappardelle al cinghiale (prato feito com uma massa longa, larga e chata acompanhada com carne de javali), ribollita (sopa feita com pão amanhecido, cavolo nero e feijão), papa al pomodoro (pão, tomate, cebola, manjericão, temperada com azeite, sal e pimenta), panzanella (salada de pão amanhecido amolecido com água e vinagre, com tomate, pepino e cebola), peposo (músculo fervido com tomate, cebola e pimenta), entre outros.
Entre os doces e sobremesas temos o cantucci (biscoito crocante feito com amêndoas), ricciarelli (biscoito feito a base de amêndoa, açúcar, mel e clara de ovo), castagnaccio alla pistoiese (bolo de farinha de castanha), lo zuccotto (bolo tipo pão de ló, recheado com ricota e chocolate), entre outros.

7. CONHECER A CIDADE A PÉ

Como Florença é uma cidade pequena e bem preservada é possível conhecê-la a pé, uma vez que seus principais pontos turísticos se encontram bem próximos uns dos outros.
Assim você poderá se encantar com sua bela arquitetura, tirar belas fotografias e observar o dia a dia dos cidadãos florentinos.
Uma dica é pedir no hotel ou comprar um mapa turístico da cidade para que você possa se localizar e não perder tempo.

 DICAS

Não há voos diretos entre o Brasil e Florença, mas você pode fazer conexões com cidades mais acessíveis da Itália como Roma. Florença conta com o Aeroporto Vespuccio que recebe voos de vários lugares da Europa.
Outra forma de chegar na cidade é de carro ou trem, sendo que a segunda opção é mais cômoda e recomendada, pois além das linhas ferroviárias italianas terem qualidade ainda te proporciona um custo menor e um belo passeio.


Não é necessário visto de viagem para visitar Florença, apenas um passaporte válido por pelo menos seis meses.
A melhor época para visitar Florença é durante a primavera (de março a maio) e outono (de setembro a novembro) quando a temperatura está mais amena e a cidade mais tranquila, já que é baixa temporada.
A cidade pode ser percorrida a pé facilmente, por isso é indicado que você escolha hospedar-se próximo ao centro histórico, dessa forma poderá se mover com tranquilidade e ainda economizar no transporte.
Saiba que a Itália faz parte do Tratado de Schengen e exige que os turistas contratem seguro viagem com 30 mil euros de assistência médica antes de realizar a viagem. Para saber mais detalhes confira nosso artigo sobre o seguro viagem obrigatório.
Esperamos que as informações tenham ajudado.
Caso tenha alguma dúvida, dica ou queira deixar sua opinião, comente.
E se curtiu o artigo, compartilhe com os amigos nas redes sociais.

Fiocruz promove ato contra violência em Manguinhos

Rio de Janeiro - Fiocruz promove ato contra a violência em Manguinhos com a participação de trabalhadores, estudantes, moradores e movimentos sociais da região (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Índios fazem manifestação na Esplanada dos Ministérios

Brasília - Índios fazem manifestação na Esplanada dos Ministérios (Wilson Dias/Agência Brasil)

Acampamento Terra Livre - Abril / 2017

Brasília - Povos indígenas de diversas etnias chegam a Brasília para o Acampamento Terra Livre (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Suprema Corte da Rússia bane Testemunhas de Jeová do país - BBC Brasil

Suprema Corte
A Suprema Corte da Rússia decidiu, nesta quinta-feira, banir a religião Testemunhas de Jeová do país.
Segundo a decisão, a denominação foi considerada uma "organização extremista", que agora terá de entregar todas as suas propriedades para o Estado - são pelo menos 395 templos espalhados pelo território russo.
Qualquer tipo de prática da religião a partir de agora também será criminalizada.
O procurador de Justiça Svetlana Borisova, um dos autores da ação, disse à agência de notícias Interfazas que as Testemunhas de Jeová representam "uma ameaça aos direitos dos cidadãos, à ordem pública e à segurança pública".
Borisova também afirmou que a oposição dos adeptos dessa religião a se submeterem a transfusões de sangue viola as leis russas de saúde.
Representantes das Testemunhas de Jeová já disseram que tentarão apelar da decisão junto à Corte Europeia dos Direitos Humanos.
A religião foi fundada nos Estados Unidos no fim do século 19 e, durante o regime de Josef Stálin na União Soviética, foi proibida por lá - milhares de seguidores acabaram enviados para a Sibéria à época.
Seus integrantes são conhecidos por sua pregação de porta em porta e pela rejeição ao serviço militar e a transfusões de sangue.

Briga na Justiça

Quando o caso começou a ser julgado, na quarta-feira, advogados que representavam o movimento apresentaram um recurso argumentando que os seguidores da religião eram vítimas de repressão política e que a ação da Procuradoria era "ilegal".
O procurador de Justiça afirmou, por sua vez, que as atividades das Testemunhas de Jeová violavam "a lei russa de combate ao extremismo" e que seus panfletos incitavam o ódio contra outros grupos.
Um deles, segundo a correspondente da BBC Sarah Rainsford, citava o romancista Leon Tolstói ao descrever a doutrina da Igreja Ortodoxa Russa como superstição e feitiçaria.
Já Yaroslav Sivulsky, representante das Testemunhas de Jeová, respondeu que o movimento não tem nada relacionado ao extremismo e disse que, em todos os casos que foram parar na Justiça, seus argumentos nunca foram ouvidos.
"Eu jamais pensaria que isso seria possível na Rússia moderna, onde a Constituição garante liberdade de prática religiosa."
Estima-se que 175 mil pessoas sigam a religião agora proibida no país.

Segunda proibição

O regime de Stálin baniu não só as Testemunhas de Jeová, mas também outras religiões cristãs. A proibição só foi revogada pela Rússia em 1991.
Nos últimos anos, porém, o governo foi endurecendo suas atitudes em relação ao movimento, Em 2004, um grupo foi banido após acusações que envolviam recrutar crianças e proibir fiéis de aceitar assistência médica.
Segundo o grupo de direitos humanos Sova, uma "campanha oficial repressiva" tem sido conduzida contra a religião há anos, e muitos de seus membros teriam sido atacados fisicamente.
Suprema Corte Russa

domingo, 23 de abril de 2017

Cariocas comemoram o Dia Nacional do Choro

Rio de Janeiro - Trem do Choro parte da Estação Central do Brasil com músicos e amantes do ritmo, em comemoração ao Dia Nacional do Choro e aos 120 anos de Pixinguinha e 100 anos de Carinhoso (Fotos - Tânia Rêgo/Agência Brasil)
video