Vídeos

Notícias - Google Notícias

CINEMA / Filmow - Notícias Populares

ESTE BLOG É INDEPENDENTE - NÃO RECEBE (E NEM QUER) SUBVENÇÃO DE QUALQUER PREFEITURA, GOVERNO DE ESTADO E MUITO MENOS DO GOVERNO FEDERAL - NÃO SOMOS UMA ONG OU FUNDAÇÃO, ASSOCIAÇÃO OU CENTRO CULTURAL E TAMBÉM NÃO SOMOS FINANCIADOS POR NENHUM PARTIDO POLÍTICO OU DENOMINAÇÃO RELIGIOSA - NÃO SOMOS FINANCIADOS PELO TRÁFICO DE DROGAS E/OU MILICIANOS - O OBSERVATÓRIO COMUNITÁRIO É UMA EXTENSÃO DO CAMPINARTE DICAS E FATOS - INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS - GRATO PELA ATENÇÃO / HUAYRÃN RIBEIRO

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Ministério Público denuncia más condições em colégio indígena no Rio | Radioagência Nacional


Risco de desabamento, falta de extintores de incêndio e salas de aula insuficientes para a quantidade de séries. Esses são alguns problemas sofridos pelos estudantes do Colégio Indígena Estadual Guarani Karai Kuery Renda e denunciados pelo Ministério Público do Rio.

A unidade escolar, que possui salas de extensão, atende a indígenas de aldeias localizadas em Angra dos Reis e Paraty, municípios do litoral sul fluminense.

O professor do Instituto de Educação de Angra dos Reis, da UFF, Domingos Nobre, atua na formação de professores nas aldeias e denuncia as más condições do colégio. O professor explica que há um esforço dos indígenas em conseguir melhorias para o colégio e para a formação de educadores.

Na ação, o Ministério Público pede a implementação de melhorias materiais e a reforma do Colégio Indígena, assim como as salas de extensão localizadas nos municípios de Angra dos Reis e Paraty.

Para o procurador da República Felipe Bogado, que assina o documento, “mesmo diante da crise financeira que assola o estado do Rio de Janeiro e a União, as melhorias necessárias não exigem milionárias quantias, mas apenas pontuais investimentos em ações – muitas das quais podem ser diretamente executadas pela administração pública”.

Até o fechamento desta reportagem, a Secretaria Estadual de Educação do Rio de Janeiro não havia se pronunciado sobre o assunto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.