Vídeos

Notícias - Google Notícias

CINEMA / Filmow - Notícias Populares

ESTE BLOG É INDEPENDENTE - NÃO RECEBE (E NEM QUER) SUBVENÇÃO DE QUALQUER PREFEITURA, GOVERNO DE ESTADO E MUITO MENOS DO GOVERNO FEDERAL - NÃO SOMOS UMA ONG OU FUNDAÇÃO, ASSOCIAÇÃO OU CENTRO CULTURAL E TAMBÉM NÃO SOMOS FINANCIADOS POR NENHUM PARTIDO POLÍTICO OU DENOMINAÇÃO RELIGIOSA - NÃO SOMOS FINANCIADOS PELO TRÁFICO DE DROGAS E/OU MILICIANOS - O OBSERVATÓRIO COMUNITÁRIO É UMA EXTENSÃO DO CAMPINARTE DICAS E FATOS - INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS - GRATO PELA ATENÇÃO / HUAYRÃN RIBEIRO

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Índios fazem pajelança e atribuem prisão de Cabral à praga de ancestrais | Agência Brasil

Rio de Janeiro -Índios e bombeiros comemoram prisão de Sérgio Cabral, ex-governador do Rio em frente à sede da Polícia Federal (Tânia Rêgo/Agência Brasil)
A prisão do ex-governador Sérgio Cabral foi comemorada hoje (17), por indígenas, no Rio, com uma pajelança feita em frente à sede da Polícia Federal. Eles dançaram em roda, ao som de chocalhos, e lembraram que Cabral foi responsável por sua expulsão do antigo Museu do Índio, prédio histórico que ocupavam ao lado do Estádio Maracanã. Cabral foi preso na manhã desta quinta-feira, na nova fase da Operação Lava Jato, denominada Calicute, que investiga desvio de recursos públicos federais em obras do governo do Rio.
Na desocupação do museu, os índios foram retirados à força pela tropa de choque da Polícia Militar, o que causou revolta e deixou muitos feridos. No dia em que foram expulsos, os índios avisaram que o governador havia mexido com os seus ancestrais, o que "não era um bom sinal".
“Com certeza, ele mexeu onde não devia. Ele não nos escutou. Nem ele, nem a Dilma. Foram caindo um por um. Nós, com muito respeito e muita fé, pedimos ajuda aos nossos ancestrais. Os povos indígenas não separam espiritualidade e política. Se nós somos atingidos e humilhados, os nossos ancestrais estão aí para nos defender. Nós fizemos fogueiras, fizemos rituais para que fôssemos vingados pelos nossos ancestrais”, disse Michael Oliveira, do povo Baré-Mawé, do Amazonas, que atualmente é professsor e historiados na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).
Segundo ele, o prédio onde funcionou o antigo Museu do Índio tem uma grande importância histórica, pois foi palco de inúmeras reuniões entre representantes indígenas e autoridades da época.
“Ali, no palacete onde funcionou o Sistema de Proteção ao Índio, todas as querelas dos povos indígenas eram resolvidas. Tem relatos até de mortes que aconteceram lá. Vários caciques e morumbixabas de todo o Brasil iam lá, conversar com o Marechal [Cândido Rondon] e o professor Darcy Ribeiro. É o local de memória material e imaterial de vários povos indígenas”, lembrou Michel.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.