Vídeos

Notícias - Google Notícias

CINEMA / Filmow - Notícias Populares

ESTE BLOG É INDEPENDENTE - NÃO RECEBE (E NEM QUER) SUBVENÇÃO DE QUALQUER PREFEITURA, GOVERNO DE ESTADO E MUITO MENOS DO GOVERNO FEDERAL - NÃO SOMOS UMA ONG OU FUNDAÇÃO, ASSOCIAÇÃO OU CENTRO CULTURAL E TAMBÉM NÃO SOMOS FINANCIADOS POR NENHUM PARTIDO POLÍTICO OU DENOMINAÇÃO RELIGIOSA - NÃO SOMOS FINANCIADOS PELO TRÁFICO DE DROGAS E/OU MILICIANOS - O OBSERVATÓRIO COMUNITÁRIO É UMA EXTENSÃO DO CAMPINARTE DICAS E FATOS - INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS - GRATO PELA ATENÇÃO / HUAYRÃN RIBEIRO

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

sábado, 23 de abril de 2016

Em 1964, Salim Miguel é preso pela Ditadura Militar  - Entretenimento - Diário Catarinense

Após o golpe de 1964Salim Miguel foi preso, e Eglê Malheirospassou uma semana detida no Hospital da Polícia Militar. Os quatro filhos do casal ficaram em casa. Foi preciso que uma vizinha avisasse a irmã de Salim, para que ela resgatasse as crianças. Mais do que aprisão de Salim, o grande trauma da família foi a prisão da Eglê, na frente dos meninos.
Em 1964, Salim Miguel é preso pela Ditadura Militar  Diego Redel/Agencia RBS
Dias mais tarde, Eglê foi mandada para casa, onde ficou em prisão domiciliar. Conseguiu enviar para Salim na prisão um caderno e um lápis. As anotações do escritor resultaram no livro Primeiro de Abril. Reiteradas vezes Salim afirmou que nunca pertenceu a partido político, mas também nunca negou ser um homem de esquerda.
Depois de solto (ele ficou cerca de dois meses na prisão), Salim, que na época era chefe da Agência Nacional em Santa Catarina e trabalhava na assessoria de imprensa do então governador Celso Ramos, conseguiu se mudar com a família para o Rio de Janeiro. Os primeiros tempos foram difíceis - deviam dinheiro para parentes e bancos - mas depois as coisas foram se ajeitando. Eglê fazia revisão e tradução de livros, e Salim foi trabalhar na revista Fatos e Fotos e depois na Manchete. Durante 10 anos, ele também escreveu sobre literatura brasileira e latino-americana para o caderno Ideias, do Jornal do Brasil.
Em 1979, Salim voltou para Santa Catarina e reassumiu a função de chefe do escritório da Agência Nacional, pouco depois transformada em Empresa Brasileira de Notícias. Em 1983, assumiu a direção da Editora da UFSC, cargo que exerceu por oito anos, consolidando a editora, estabelecendo linhas e políticas editoriais e projetando a UFSC e a produção bibliográfica catarinense para outros estados brasileiros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.