Vídeos

Notícias - Google Notícias

CINEMA / Filmow - Notícias Populares

ESTE BLOG É INDEPENDENTE - NÃO RECEBE (E NEM QUER) SUBVENÇÃO DE QUALQUER PREFEITURA, GOVERNO DE ESTADO E MUITO MENOS DO GOVERNO FEDERAL - NÃO SOMOS UMA ONG OU FUNDAÇÃO, ASSOCIAÇÃO OU CENTRO CULTURAL E TAMBÉM NÃO SOMOS FINANCIADOS POR NENHUM PARTIDO POLÍTICO OU DENOMINAÇÃO RELIGIOSA - NÃO SOMOS FINANCIADOS PELO TRÁFICO DE DROGAS E/OU MILICIANOS - O OBSERVATÓRIO COMUNITÁRIO É UMA EXTENSÃO DO CAMPINARTE DICAS E FATOS - INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS - GRATO PELA ATENÇÃO / HUAYRÃN RIBEIRO

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

terça-feira, 8 de julho de 2014

Torcedores no Rio se revoltam com derrota brasileira

O desastre em campo, vivido pela seleção brasileira, demorou a ser digerido pelos mais de 20 mil torcedores que viram o jogo na Fifa Fan Fest, em Copacabana. O festival de gols germânicos impediu a reação dos brasileiros, e o próprio público sofreu calado e apático até o último minuto da tragédia. Na saída, demonstraram revolta com a derrota de 7 a 1 para a Alemanha.
“Aconteceu, foi falta de vergonha na cara. Só pensam no dinheiro. Tá aí o capitalismo, a Fifa, os escândalos. Agora é chegar em casa e consolar as nossas criancinhas, que ficaram decepcionadas. E a gente vai dizer o quê?” desabafou o pedreiro Landisvaldo Ribeiro Brasileiro, que foi ver o jogo acompanhado da esposa.
“É uma vergonha. O governo não arrumou nada para a gente. Preferiram colocar dinheiro nos estádios e deixou a gente sem nada. Para chegar no final e nos fazer passar vergonha. Nós precisamos de melhorias, não temos casa, moramos em barraco”, disse Rayane dos Santos Moraes, moradora na invasão da antiga fábrica da Tufy, no Complexo do Alemão, que foi à Copacabana para vender bebidas, como camelô.
“Entregaram o jogo. Assisti do começo ao fim. Eu estou envergonhada. Estamos jogando em casa e passando vergonha”, completou Marcele Ventura, que também mora na invasão da Tufy e ajudava Rayane na venda das bebidas, em frente à Fifa Fan Fest.
Outros sequer tinham palavras para explicar o que havia acontecido. “Eu não sei o que houve. Não sei explicar. Estou indignado”, desabafou o camelô Carlos Costa, que carregava dois isopores com bebidas e não queria nem parar para dar entrevista.
Já os alemães, embora contidos, comemoravam a histórica vitória sobre a seleção pentacampeã do mundo. “A Alemanha tem um grande técnico e um grande time. O Brasil sentiu a falta de dois grandes jogadores. Mas eu espero ver na final um time sul-americano, para jogarmos um clássico, com a Argentina”, disse Yasir Jamal, de Berlim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.