Vídeos

Notícias - Google Notícias

CINEMA / Filmow - Notícias Populares

ESTE BLOG É INDEPENDENTE - NÃO RECEBE (E NEM QUER) SUBVENÇÃO DE QUALQUER PREFEITURA, GOVERNO DE ESTADO E MUITO MENOS DO GOVERNO FEDERAL - NÃO SOMOS UMA ONG OU FUNDAÇÃO, ASSOCIAÇÃO OU CENTRO CULTURAL E TAMBÉM NÃO SOMOS FINANCIADOS POR NENHUM PARTIDO POLÍTICO OU DENOMINAÇÃO RELIGIOSA - NÃO SOMOS FINANCIADOS PELO TRÁFICO DE DROGAS E/OU MILICIANOS - O OBSERVATÓRIO COMUNITÁRIO É UMA EXTENSÃO DO CAMPINARTE DICAS E FATOS - INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS - GRATO PELA ATENÇÃO / HUAYRÃN RIBEIRO

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

terça-feira, 12 de novembro de 2013

SECRETARIA PROMETE, EM AUDIÊNCIA, 4 MIL MORADIAS NA SERRA ATÉ DEZEMBRO

A Secretaria de Estado de Obras promete entregar até dezembro de 2014 mais de quatro mil unidades populares para moradores que perderam as casas na tragédia de 2011, na Região Serrana do Rio. Esta informação foi apresentada em audiência pública, nesta terça-feira (12/11), na Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj). No entanto, o presidente da Comissão de Política Urbana, Habitação e Assuntos Fundiários, deputado Nilton Salomão (PT), afirma que a entrega dos imóveis já está atrasada. “Já se passaram três anos desde a tragédia e a grande maioria das famílias continua vivendo o drama de não ter uma casa, essa promessa precisa ser cumprida”, destacou o parlamentar.
Segundo o subsecretario de Obras da Região Serrana, José Beraldo Fortuna Soares, houve dificuldade de avançar na construção das habitações populares por desistência das empreiteiras dos projetos e falta de terrenos adequados. “Nós fizemos a nossa parte. Buscamos as desapropriações e os terrenos e elegemos as empresas que fariam as obras e apresentamos para a Caixa Econômica. Por vários motivos, entre eles insolvência da empresa ou por não ter cumprido as exigências da Caixa, muitas empreiteiras desistiram das obras”, explicou Beraldo. Para resolver o problema serão realizados novos licenciamentos e a Secretaria vai implantar unidades modulares nos terrenos que já foram desapropriados.
Para a Francine Damasceno, advogada e membro do Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Petrópolis, os problemas estão longe de uma solução. “Não há uma participação da população na discussão dessas moradias. Muitas pessoas estão sendo assentadas a duas horas do local de trabalho. Essa situação só vai mudar quando o projeto tentar beneficiar o povo e não focar apenas em construções”, acredita Francine. O subsecretário afirmou que o governo já vê possibilidade de melhorar a situação das áreas de risco e evitar o maior número de mudanças diminuindo o impacto social com as realocações.
De acordo com a Secretaria de Obras, foram destinados mais de R$ 1 bilhão para as obras de pontes, encostas e casas populares. Destas verbas, R$ 870 milhões saíram do governo federal e R$ 290 milhões do governo estadual. Dentre as obras, está programada a instalação de sensores de alerta no alto das encostas. Já foram realizadas 60 pontes das 88 prometidas e quase todas as encostas já foram concluídas, segundo a Secretaria de Estado de Obras.
A comissão pretende ouvir, nas próximas audiências, o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e o Departamento de Estradas e Rodagens (DER-RJ). “Muita coisa ainda precisa ser discutida, temos que entender principalmente como será o critério para priorizar as pessoas que estarão recebendo as suas casas. Vimos nessa audiência que existiram evoluções nas obras das encostas, das pontes, apesar de alguns conflitos, mas na questão habitacional ainda reside uma enorme preocupação”, concluiu o deputado.
(texto de Buanna Rosa)



Pedro Motta Lima
Diretoria de Comunicação Social da Alerj

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.