Vídeos

Notícias - Google Notícias

CINEMA / Filmow - Notícias Populares

ESTE BLOG É INDEPENDENTE - NÃO RECEBE (E NEM QUER) SUBVENÇÃO DE QUALQUER PREFEITURA, GOVERNO DE ESTADO E MUITO MENOS DO GOVERNO FEDERAL - NÃO SOMOS UMA ONG OU FUNDAÇÃO, ASSOCIAÇÃO OU CENTRO CULTURAL E TAMBÉM NÃO SOMOS FINANCIADOS POR NENHUM PARTIDO POLÍTICO OU DENOMINAÇÃO RELIGIOSA - NÃO SOMOS FINANCIADOS PELO TRÁFICO DE DROGAS E/OU MILICIANOS - O OBSERVATÓRIO COMUNITÁRIO É UMA EXTENSÃO DO CAMPINARTE DICAS E FATOS - INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS - GRATO PELA ATENÇÃO / HUAYRÃN RIBEIRO

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

COMISSÃO DE TRABALHO QUER OUVIR O PROVEDOR DA SANTA CASA

A Comissão de Trabalho, Legislação Social e Seguridade Social da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), presidida pelo deputado Paulo Ramos (PSol), quer saber os débitos e a origem dos recursos da Santa Casa de Misericórdia. Para isso, Ramos propôs um encontro com o provedor da instituição, Luiz Fernando Mendes de Almeida, em no máximo uma semana. "Imaginávamos que, com um representante aqui, poderíamos esclarecer isso", critica o deputado, lamentando que a Santa Casa não tenha enviado representação para a audiência pública desta quarta-feira (16). O parlamentar acrescentou que há um pedido de criação de CPI para investigar Santa Casa.
O professor de Medicina da Universidade Gama Filho na Santa Casa, Jorge Amaral, reforça que a instituição precisa de transparência e acredita que uma "medida de força", como o fechamento total da rede, não seria benéfico. "Nós somos, na maioria, professores das universidades que damos aulas na Santa Casa. Sem os trabalhadores e residentes pagos, não dá para o doente continuar internado". Segundo ele, alguns alunos de pós-graduação trabalham para a instituição com o objetivo de pagar os estudos. “Sem essa mão de obra a situação da Santa Casa poderia se agravar”, acredita.
Presentes na audiência, representantes de sindicatos reforçaram que o pagamento do Sistema Único de Saúde (SUS) não é repassado aos funcionários. O vice-presidente da Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho, Paulo Perissé, e o assessor jurídico da Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Rio de Janeiro (Seess-RJ), Walter Seixas, também compareceram.

Pedro Motta Lima
Diretoria de Comunicação Social da Alerj
(21) 2588-1627 / 2588-1404

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.