Vídeos

Notícias - Google Notícias

CINEMA / Filmow - Notícias Populares

ESTE BLOG É INDEPENDENTE - NÃO RECEBE (E NEM QUER) SUBVENÇÃO DE QUALQUER PREFEITURA, GOVERNO DE ESTADO E MUITO MENOS DO GOVERNO FEDERAL - NÃO SOMOS UMA ONG OU FUNDAÇÃO, ASSOCIAÇÃO OU CENTRO CULTURAL E TAMBÉM NÃO SOMOS FINANCIADOS POR NENHUM PARTIDO POLÍTICO OU DENOMINAÇÃO RELIGIOSA - NÃO SOMOS FINANCIADOS PELO TRÁFICO DE DROGAS E/OU MILICIANOS - O OBSERVATÓRIO COMUNITÁRIO É UMA EXTENSÃO DO CAMPINARTE DICAS E FATOS - INFORMAÇÃO E ANÁLISE DAS REALIDADES E ASPIRAÇÕES COMUNITÁRIAS - GRATO PELA ATENÇÃO / HUAYRÃN RIBEIRO

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

COMISSÃO DA JUVENTUDE QUER CAPACITAÇÃO PARA JOVENS CARENTES

A Comissão Especial da Juventude da Assembleia Legislativa se reuniu pela primeira vez nesta quinta-feira (26/9) para discutir projetos voltados para capacitação de moradores de comunidades pacificadas na capital. Na primeira audiência da comissão, presidida pelo deputado Bruno Coreia (PDT), foi ouvida a coordenadora do programa “Caminho Melhor Jovem”, Morgana Eneille, ex-secretária nacional de cultura do PT. Bancado pelo governo estadual, o programa atende ao Complexo de Manguinhos, na Zona Norte do Rio, e será lançado na Cidade de Deus, no próximo dia 7. Com 450 inscritos, o objetivo é atingir 40 mil jovens até 2017 com um diferencial que chama a atenção: os participantes são atendidos individualmente e recebem acompanhamento de um tutor toda a semana, com a possibilidade de realizar o curso de sua escolha — e não por opções já predeterminadas.
“Isso alimenta o sonho de alguns, inclusive, de se tornarem astronautas se quiserem”, diz Morgana, ao explicar que eles buscam oferecer todos os cursos possíveis — tanto no próprio programa quanto em centros particulares. Entre as linhas de atuação do “Caminho Melhor Jovem”, destaca-se a intervenção territorial, onde os inscritos desenvolvem projetos para as suas comunidades e são avaliados. Os vencedores recebem uma bolsa de R$ 12 mil para pôr o trabalho em prática.
O programa conta com US$ 60 milhões do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e R$ 24,5 milhões do governo federal. “Esse recurso é operado dentro da Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos, na unidade de gestão do programa e descentralizado para os vários parceiros”, explicou Morgana.
“Avançamos muito com esse programa. É o anseio de uma expectativa de ocupação social dessas áreas que foram pacificadas”, disse Bruno Correia. Também participou da audiência o deputado Thiago Pampolha (PSD).
(texto de Bárbara Figueiredo)


Pedro Motta Lima
Diretoria de Comunicação Social da Alerj
(21) 2588-1627 / 2588-1404

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.